In:  
Olho da História No. 3 Página Principal

 

Morango e chocolate
(1993, Tomás Gutierrez Alea)

Por Patricia Alves

Há décadas, Cuba desperta o interesse do mundo, seja entre simpatizantes ou não. A verdade é que Cuba ainda impressiona por ser não apenas o único país latino-americano comunista, mas, principalmente, por ter engendrado uma revolução socialista, às "barbas" da maior potência capitalista mundial de então, os Estados Unidos. Porém, por mais curiosos que sejamos em relação à Cuba, conhecemos muito superficialmente sua realidade, salvo os especialistas e algumas raras exceções.

Assim, o filme Morango e chocolate (1993)* , dirigido por Tomás Gutierrez Alea (recentemente falecido e considerado um dos maiores cineastas cubanos) e Juan Carlos Tabio, pode com certeza trazer à tona discussões e reflexões acerca da complexidade histórica da realidade cubana.

Um filme cubano, baseado no conto "El bosque, el lobo y el hombre nuevo", do roteirista Senal Paz, nos remete à Havana de 1979, apresentando uma Cuba repleta de contradições em sua realidade econômica, política, social e cultural. Não foi por acaso que Morango e chocolate ganhou, em 1993, o prêmio de melhor filme do Festival de Havana, o de melhor filme no Festival de Gramado no ano seguinte, além de premiações em Berlim. Foi o primeiro filme a cruzar os limites de Cuba e entrar no grande circuito comercial e, ao contrário do que se possa pensar, não se trata de uma obra que tem como seu objetivo principal discutir a política cubana, mas sim mostrar Cuba como um todo: sua cultura e seu povo em sua plenitude.

A Havana de 1979 não é tão diferente da de hoje. Com certeza, atualmente, a situação cubana agravou-se, não apenas em conseqüência da queda do comunismo na URSS, em 1989, mas, principalmente, da perda acelerada dos recursos que provinham deste país.

A história narra o encontro de dois personagens antagônicos: David (Vladimir Cruz), estudante universitário que acredita na essência da Revolução Cubana e nas suas grandes realizações, e Diego (Jorge Perugorria, numa belíssima interpretação), um artista dissidente que luta contra o preconceito a que são submetidos os homossexuais em Cuba e exige o direito da liberdade de expressão num governo autoritário. A discussão que se trava entre Diego e David revela os dois lados de uma mesma moeda, os dois lados da Revolução Cubana. Revolução esta que, inicialmente, possuía um caráter nacionalista e que, depois, tomou a forma de uma revolução socialista aos moldes da Revolução Russa. Revolução que solucionou problemas como o analfabetismo, a prostituição, a desigualdade social, a saúde, a educação, enfim, problemas que, ainda hoje, não foram erradicados nos países do chamado "Terceiro Mundo".

David, filho de camponês que teve acesso à universidade pública, vê nessas conquistas o verdadeiro sentido da Revolução, enquanto Diego, um homossexual que sofre discriminação em seu país, contesta, a todo momento, a visão unilateral da Revolução que David possui. Aos poucos, uma lição de vida vai se desnudando em frente aos nossos olhos. O conflito pessoal que se estabelece entre os personagens nos oferece discussões elementares acerca do regime e das condições de liberdade do povo cubano, tratando também, de forma bastante sutil, de assuntos como patriotismo, segurança nacional, soberania, liberdade de expressão e realizando, principalmente, uma análise bem conseqüente da ditadura de Fidel Castro.

Historicamente, o filme é bastante fiel às dificuldades da vida do cubano, à religiosidade (mostrando as fortes influências africanas, em oposição ao ateísmo instituído pelo materialismo histórico e seguido à risca pelo regime) e às desigualdades sociais que começam a aparecer. Um tema bem enfocado pelo filme é o da discriminação sofrida pelos homossexuais cubanos que, nas décadas de 1960 e 1970, eram enviados aos chamados "campos de reeducação" com o objetivo de serem "regenerados" para o "benefício" da sociedade cubana.

A relação conflituosa dos dois personagens, que permeia todo o enredo do filme, vai, aos poucos, com maestria, guiando o espectador para o interior de Cuba: uma Cuba alegre, espirituosa, religiosa, política, humana, mas repleta de contradições. Gutierrez consegue, com bastante sutileza, nos apresentar uma Cuba muito especial, com um passado revolucionário glorioso e que tenta, mesmo ilhada econômica e militarmente, manter suas conquistas e sua soberania.

Morango e chocolate vem lembrar, segundo seu diretor, que, "acima das questões políticas suscitadas pelo governo de Fidel Castro, há um país chamado Cuba e uma forte cultura nacional".

Patricia Alves é pesquisadora da Oficina Cinema-História e estudante do Departamento de História da Universidade Federal da Bahia.

[e-mail]   topo